quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

4ª EDIÇÃO DO LIVRO A SEGUNDA SAFRA DO FERRO



(Trecho do livro A SEGUNDA SAFRA DO FERRO, num diálogo de Soroco, motorista de caminhão e sua mãe, Hortênsia)
.......................
Rogério Alvarenga
Próximo lançamento em 4ª. Edição.
APRESENTAÇÃO:

A primeira edição desta peça data de 1980. Sempre foi uma ficção, embora a ficção  possa representar alguma realidade. Assim, desse tempo para cá, a tecnologia rompeu os padrões da tranquilidade provinciana e destruiu a monotonia dos métodos de trabalho. Entretanto, a crueza das verdades confirma a continuidade da degradação ambiental, da poluição, da corrupção, do domínio autoritário sobre a população e mesmo sobre as dignas autoridades.  Mudanças e mais mudanças, mas tudo continua na mesma situação, dantes referida. Consequências desagradáveis rompem o dia a dia.
(Trecho do livro, num diálogo de Soroco, motorista de caminhão e sua mãe, Hortênsia)
.......................



SOROCO – De onde é que a senhora tirou tudo isso, mãe? Itabira alimenta o mundo com ferro, arrancado do chão pelas mãos e pelas máquinas. Depois, serpenteia nos vagões do trem até a boca dos navios, nas grandes plataformas.
HORTÊNSIA – Pedra de ferro no calçamento das ruas.  Hoje é asfalto. É o progresso. Iluminação do século XX. Admiro muito, mas fico pasma, estarrecida. Itabira alimenta o mundo, é o centro do mundo. Fico abismada. E arrasa o mundo. Olha as roupas que a Itabira veste. Andrajos nas ruas tortas, casas escoradas e povo mole. E o mesmo acontece com cidades históricas, sem eira nem beira, cheias de igrejas monstrengas para salvar as almas do inferno. Se tirar a companhia o povo morre de fome. A cidade acaba. A ignorância é miséria hereditária. Não é privilégio do povo. Roda nas cabeças coroadas dos chefes e dos prefeitos. Se a companhia acabar a cidade acaba. Melhor assim.
SOROCO – Tenho que ir, mãe. Vou acordar a Lili. De amargura a vida está cheia. Pensar no que é nosso. Desgraça dos outros é desgraça deles mesmos.
HORTÊNSIA – Terra boa mesmo não é. Nem a nossa nem a deles. Nossa riqueza vem debaixo da terra. Tem que arrasar tudo, revolver tudo pra tirar o que presta. O rejeito joga-se nos rios que vão para o mar. Eles que se danem.  Mas é a riqueza que faz isso tudo.. Aliás, era a riqueza, porque o povo hoje é pobre. Parece rico e se engana. A Companhia é rica. E carregador de minério pode ficar rico? E picareta é instrumento científico?
SOROCO – É perigoso ficar falando demais, sem saber, mãe.
HORTÊNSIA – Eu sei de tudo. Eles vieram falar comigo esta noite, me informaram de tudo que está acontecendo nas cercanias, nas crateras abertas, nas desgraças dos rios, da morte dos peixes e dos bichos. Eles voltam pra me contar tudo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO